MENOPAUSA

E ANDROPAUSA

Entre os 40 e os 60 anos, mulheres e homens entram numa fase delicada das suas vidas.

A produção de hormonas como o esterogénio, a progesterona e a testosterona sofre uma queda acentuada, uma vez que, a partir dos 35 anos, se vai verificando a perda dessas hormonas entre 1 a 3% anualmente.

Como resultado dessa queda, verifica-se um aumento nas nossas limitações, a vários níveis.

Uma das semelhanças mais comuns entre homens e mulheres são os sintomas, que podem passar por oscilações de humor, tristeza e desmotivação sem causa aparente, irritabilidade, diminição da capacidade de concentração e de memória, alteração do padrão do sono, diminuição do desejo sexual e alguma dificuldade na gestão do peso, entre outras condicionantes.

Nas mulheres pode existir ainda secura vaginal e afrontamentos e nos homens disfunção eréctil.

A crise de meia-idade, assim como outras notáveis variações psicológicas e emocionais, também são observadas entre ambos os sexos.

MENOPAUSA

Uma mulher entra na menopausa quando ocorre o fim das suas menstruações espontâneas pelo período de um ano. Trata-se de um processo biológico natural e perfeitamente normal da vida da mulher, que se caracteriza por uma diminuição da produção de estrogénio e de progesterona pelos ovários.

Este período assinala o fim da fertilidade.

A mulher deixa de poder engravidar e sentirá, possivelmente, mudanças normalmente acentuadas no seu corpo e na qualidade de vida.

Apesar de cada mulher ser um ser único com características individuais, as alterações mais frequentes deste período, ocorrem normalmente por volta dos 50 anos de idade.

No entanto, há algumas variáveis que podem fazer com a menopausa aconteça numa idade mais precoce. Os sintomas da menopausa precoce resultam em perturbações vasomotoras (afrontamentos e suores nocturnos), psicológicas (tristeza, desmotivação) e genito-urinárias (secura vaginal e infecções urinárias recorrentes).

ANDROPAUSA

Enquanto uma mulher não mais será capaz de ter filhos, isto não acontece no caso masculino mesmo após a andropausa, uma vez que a sua produção de esperma continuará e o homem poderá ser pai em idades mais avançadas.

A andropausa ou síndrome de deficiência androgénica, é um processo natural de envelhecimento do homem e resulta de uma diminuição significativa dos níveis de testosterona, ou seja a hormona masculina. No entanto, ao contrário do que a acontece no sexo feminino, estas alterações ocorrem de forma insidiosa, gradual e lenta.

 

Os seus sintomas iniciais contam com uma diminuição da líbido e do número de ereçcões matinais, com perda de massa muscular, aumento do perímetro abdominal, cabelo mais fino, entre outros.

MAS EXISTE UM CAMINHO

Um dos caminhos de tratamento mais comuns para ambas as condições é a terapia de reposição hormonal bioidêntica proposta na Medicina Anti-Aging.

 

Tanto para homens como para mulheres, este método ajudará a trazer os níveis hormonais de volta para os níveis óptimos.

A terapia consiste numa reposição dos níveis hormonais recorrendo a hormonas bioidênticas (não sintéticas), isto é, que têm uma estrutura molecular igual às que são naturalmente produzidas pelo corpo humano.

Por esta razão, os nossos recetores estão preparados para estas hormonas, não havendo efeitos secundários.

Com a modulação hormonal consegue-se eliminar os sinais e sintomas mais frequentes e mais limitantes.

Gerir a fonte do problema oferece aos pacientes um grande alívio nos sintomas e uma melhoria na sua qualidade de vida.

 

É importante que o médico especialista ouça o paciente e não trate apenas os seus sintomas mas sim o desequilíbrio hormonal que ambos os sexos têm na menopausa e na andropausa.

© 2020 Marta Padilha - developed by Villa Design e Eventos \ avilla.pt