PSICOLOGIA

A psicologia, dentro da linha da Terapia Cognitivo Comportamental pode contribuir de forma muito significativa e diferenciada nos programas de gestão do peso. Esta abordagem psicoterapêutica, tem apresentado resultados bastante notáveis no tratamento da obesidade, emagrecimento e perturbações alimentares, tais como: compulsão alimentar, fome emocional, anorexia, bulimia, etc.

O peso, não poucas vezes, encontra-se associado a aspetos afetivos, não se reconduzindo a um tema puramente fisiológico. A comida, embora tenha o desiderato de nutrir, para muitos cumpre o objetivo de debelar ansiedade, estados depressivos, estresse e problemas emocionais arrolados com a imagem corporal (intrinsecamente ligados à baixa autoestima do sujeito).

man-sitting-in-the-psychologist-s-office-and-talking-about-problems.jpg

Terapia Cognitivo Comportamental

Através da Terapia Cognitivo Comportamental, executa-se uma reestruturação cognitiva e mudança comportamental, que promove o desenvolvimento de competências comportamentais com vista à correta gestão da dieta e manutenção do peso pretendido pelo paciente, mesmo a longo prazo (circunstância que para algumas pessoas pode ser mais custosa do que propriamente a perda de peso).

A comida pode representar uma fonte de consolo e resultar da necessidade de obtenção de gratificação imediata. São estas crenças, pouco saudáveis, que podem ser modificadas com a intervenção do psicólogo (que é o técnico de saúde especializado em comportamentos, emoções e pensamentos), que diante de padrões mal adaptativos ou disfuncionais de pensamentos, pode auxiliar o paciente a encontrar novas possibilidades de pensamentos alternativos e mais funcionais, na sua relação com a alimentação.

 

A estratégia com maior sucesso definida com vista ao emagrecimento resulta das sinergias de uma equipa multidisciplinar que vise o controlo metabólico, o bem-estar físico, equilíbrio emocional e a qualidade nutricional – com a integração das especialidades de medicina, psicologia e nutrição.